27 junho 2008

Conversa com um capitão

Márcio Ferreira Almeida, nasceu a 13 de Janeiro de 1995, e foi o capitão da infantis campeã distrital. É um jogador humilde, lutador, empenhado e acima de tudo joga sempre feliz (adoro as tuas danças de descontracção).
Foi um dos bastiões da equipa academista e mostrou a sua enorme qualidade de futebol, sendo um pulmão cheio de garra na equipa, que tanto defende como ataca.

Em poucas palavras, como pudemos definir o Márcio como jogador?
Com muita garra, sempre alegre e feliz de jogar á bola, lutar pela equipa e ajudar os meus colegas, perder nunca.

Qual o percurso que fizeste até chegares aqui aos Iniciados do Académico?
Quando tinha 8 anos decidi vir para o académico, porque só queria jogar futebol, passei por vários escalões ( desde os escolas aos infantis) onde fui muito feliz e poucas vezes triste e agora estou aqui nos iniciados do académico pronto a fazer mais uma época com muito trabalho.

Durante o tempo que já jogas futebol tiveste bons e maus momentos. Podes dizer um momento para recordar e outro para esquecer?
Um momento muito bom para recordar foi quando fui campeão distrital pelo académico. Para esquecer foi quando o académico teve alguns problemas e os escalões jovens não puderam competir nos seus campeonatos, queria muito jogar nessa altura pelo meu segundo ano de escolas.

Que treinador te lembras melhor, por te ter marcado na tua formação?
O mister santos, não só por ser meu mister este ano e naquele ano onde não pudemos competir, mas foi sempre um grande amigo meu não só dentro das quatro linhas mas também no balneário e fora, santolas espectacular.

Que clube foi para ti a revelação e a desilusão do Campeonato?
A revelação…penso que foi o Resende, muito boa equipa e mostrou que sabe bem como se joga futebol. Nenhum clube para mim me desiludiu, terminaram nas posições que desde o inicio da época esperavam ficar.

Qual o jogo decisivo rumo ao título?
Sem dúvida contra o Repeses no segundo jogo na fase final, já iam fazer a festa mas o Académico nunca desiste, sempre com garra.

A união do grupo foi um dos segredos para o êxito. Quais foram os outros?
Alegria e amizade dentro do balneário com toda a equipa técnica, muita conversa entre todos os jogadores e treinadores sobre o futebol e nunca desistir de qualquer sonho como o título do campeonato que conseguimos concretiza-lo com muita determinação e ajuda de todos.

Foi um ano de muito trabalho e que acabou com um título? Como foi este ano?
Muito lutador, maravilhoso com muito trabalho e orgulho de todos com uma sensação de voltar a ser CAMPEÃO pelo académico.

E para o ano, novo desafio desta vez, novo escalão e acima de tudo novo “tipo” de futebol. Como achas que vai ser?
Acho que vai ser difícil, mas farei o meu melhor para ajudar a equipa e vou trabalhar para tentar guardar um lugar nos iniciados do académico.

Que sonho gostavas de concretizar?
Voltar a ser campeão pelo académico e jogar num clube “maior”.

Um ídolo? Deco

Uma palavra para os sócios, adeptos e leitores do blog.
Futebol é a nossa paixão.

2 comentários:

Anónimo disse...

Apesar do pouco tempo de convivio deu para conhecer as suas grandes qualidades e capacidades para ser um grande jogador de futebol. Para isso só tem de trabalhar sempre nos limites e de querer aprender sempre mais.
"E também é um brinca na areia."
Um abraço
João Costa

ogirdoR disse...

Vi jogo e meio do Márcio e fiquei fã. Boa sorte!